Ano novo, Declaração de Imposto de Renda nova!

Por Rodrigo Gonzales

Com o término de um ano e início de um novo ciclo, é hora de, após a costumeira retrospectiva, analisar os resultados das programações e estratégias firmadas, correção de eventuais desvios e programação de ações para o novo ano.
Dentre estas programações, podemos citar para pessoa física a provisão para despesas de início de ano, tais como IPTU, IPVA, material escolar, dentre outras que, sendo programadas, evitam sustos e a utilização de créditos, “tão generosamente” oferecidos pelos bancos.

Outra rotina do começo do ano é a obrigação de apresentação da Declaração de imposto de renda de Ajuste do Imposto de Renda de Pessoas Físicas (DIRPF) até o final do mês de abril.

Ela merece uma programação prévia tanto dos contribuintes pessoas físicas, como das empresas de contabilidade.
Ao contribuinte é uma oportunidade de se organizar e justificar sua evolução patrimonial perante a Receita Federal, evitando inconvenientes relacionados à “malha fina”. Aos escritórios de contabilidade é uma boa oportunidade de aumentarem seu faturamento nesta época do ano.

Para pessoa física é necessário começar a organizar todos os documentos e informações (como saldos de conta corrente, poupança, fundos, previdência, comprovantes de renda) necessárias ao preenchimento da declaração de imposto de renda.

Se a opção for pelo formulário completo com dedução de despesas médicas e com educação, ou até mesmo dependentes, além dos extratos de rendimentos, é necessário levantar todos os recibos de despesas.
É importante lembrar que a contratação de um escritório de contabilidade para elaboração da DIRPF, é extremamente recomendável, não dispensa uma boa organização dos documentos e entrega antecipada ao profissional, evitando erros ocasionados pela falta de documentação.
Outro ponto que reforça a recomendação pela contratação de um escritório contábil, é que, com a mudança da DIRPF para o formato online, surgiram os criminosos eletrônicos que têm como vítima, o contribuinte com suas informações pessoais.
Eles se utilizam de eventuais fragilidades na segurança dos micros pessoais, programas falsos ou de e-mails, devendo ser valorizado aquele escritório que investe em sua mão de obra e em ferramentas de TI, e que pela sua expertise, estará mais preparado para eventuais investidas criminosas.
Já para os escritórios de contabilidades, a DIRPF representa uma oportunidade de um serviço diferenciado a novos clientes ou mesmo a seus clientes mensalistas, na pessoa de seus sócios, com a necessária amarração de sua variação patrimonial com os lucros e dividendos da pessoa jurídica.
Da mesma forma que, para as pessoas físicas, cabe ao escritório se programar para aproveitar esta oportunidade para divulgar seus serviços, como por exemplo, divulgar a seus clientes as novidades da Declaração de 2013.
Não basta oferecer um serviço de qualidade técnica. É muito importante estabelecer com o cliente regras claras com valores de honorários e prazos rígidos para entrega de documentos, criando um comprometimento mútuo.
Dessa forma, o escritório pode desenvolver seu trabalho de maneira serena e precisa, sem sobressaltos repentinos e alegações de clientes mal intencionados, tentando transferir responsabilidades.
Com isso, podemos concluir que com o começo de um novo ciclo, necessariamente se renovam rotinas de obrigações, que como outras situações em nossa vida, podem ser encaradas de forma ruim ou como oportunidades.

Compartilhe esse artigo!

Share on facebook
Facebook
Share on linkedin
LinkedIn

Esse site utiliza cookies para garantir uma melhor experiência.
Clique em "Aceitar" para seguir ou "Política de Privacidade" para saber mais.

Iniciar conversa
Fale com a DSG
Olá,
Envie sua mensagem que te retornaremos em breve.

Obrigado!