Carne Leão 2015

Médicos, odontólogos, fonoaudiólogos, fisioterapeutas, terapeutas ocupacionais, advogados, psicólogos e psicanalistas deverão informar ao fisco, a partir do ano-calendário de 2015, o CPF de cada titular do pagamento dos serviços prestados.

A partir de 1º de janeiro de 2015, de acordo com a Instrução Normativa RFB nº 1.531, publicada no Diário Oficial da União de 22/12/2014.

Os autônomos que recolhem o IR mensal através do carnê Leão 2015 estão obrigados a informar o CPF de cada contribuinte que fez o pagamento pelos serviços prestados.

A operacionalização será pelo programa de Recolhimento Mensal Obrigatório (Carnê Leão 2015).

Caso não utilizado o programa, as informações de cada CPF deverão ser feitas na Declaração de Ajuste Anual do ano-calendário a que se referirem.

Segundo o site da Receita Federal “a decisão visa a evitar a retenção em malha de milhares de declarantes que preenchem a declaração de forma correta e pelo fato de terem efetuado pagamentos de valores significativos a pessoas físicas podem precisar apresentar documentos comprobatórios à Receita Federal. A medida equipara os profissionais liberais às pessoas jurídicas da área de saúde que hoje estão obrigadas a apresentar a Dmed”

Com a análise da Receita Federal quanto aos valores a serem deduzidos do IRPF, tornar-se-á mais fácil para o fiscal, com um simples trabalho de cruzamento de informações (declaração da fonte pagadora e da receptora), perceber a veracidade do que foi declarado, e assim, liberar o contribuinte.

Fato é que, a capacidade de cruzamento de informações está em um nível jamais visto, sendo o sistema mais avançado do mundo neste ponto, haja vista o investimento, desenvolvimento tecnológico e as normatizações, principalmente da Receita Federal, já que cartórios, bancos, operadoras de cartão de crédito, instituições financeiras, Bacen, etc., devem disponibilizar as informações vinculadas aos CPFs e CNPJs.

Alguns itens hão de ser elencados quanto a essa nova sistemática.

Primeiramente, destaca-se que muitos questionam a constitucionalidade dessa obrigação, na medida em que afronta o sigilo profissional representado pelos incisos XIII e XIV do artigo 5° da Constituição Federal, ou mesmo de sua legalidade diante da forma utilizada para ingressar ao mundo do direito, através de uma Instrução Normativa e não por meio de lei propriamente dita.

Ponto omisso na referida Instrução é a consequência de um eventual não preenchimento, omissão ou preenchimento equivocado, ou mesmo se o usuário não possuir CPF, haverá multa?

Por analogia, a IN 985/2009 que introduziu a “Declaração de Serviços Médicos e de Saúde” (DMED) traz em seu artigo 6° de maneira clara que “a não apresentação da Dmed no prazo estabelecido no art. 5o, ou a sua apresentação com incorreções ou omissões, sujeitará a pessoa jurídica obrigada às multas previstas no art. 57 da Medida Provisória no 2.158-35, de 24 de agosto de 2001”.

Na prática, tal exigência, somada à ampliação das atividades do SIMPLES NACIONAL, dará sequência ao movimento de migração do profissional pessoa física para o seguimento jurídico, em busca de uma carga tributária menor, aumentando o número de pessoas jurídicas, às quais, na prática não possuem limitação de responsabilidade, mas aumentam o rastreamento pela Receita, bem como a necessidade da contratação de um escritório de contabilidade responsável pela constituição e manutenção dessas personalidades jurídicas.

Compartilhe esse artigo!

Share on facebook
Facebook
Share on linkedin
LinkedIn

Esse site utiliza cookies para garantir uma melhor experiência.
Clique em "Aceitar" para seguir ou "Política de Privacidade" para saber mais.

Iniciar conversa
Fale com a DSG
Olá,
Envie sua mensagem que te retornaremos em breve.

Obrigado!