Os erros médicos mais comuns

Vínculo Empregatício

Devido às precárias condições da saúde no país, com poucos repasses para o Sistema Único de Saúde e com os cortes de empresas nos planos de saúde particulares de seus empregados, é notável que possam haver consequências.

Lotação de hospitais, falta de insumos, desorganização de informações são só alguns dos problemas, que se acumulam e podem causar erros médicos.

De acordo com dados nacionais do Conselho Federal de Medicina, de 2009 a 2014, 61 médicos tiveram o registro cassado por algum tipo de delito ético, e 418 médicos foram julgados culpados por negligência, imprudência ou imperícia, em denúncias relativas a erro médico no estado de São Paulo.

De acordo com o CREMESP (Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo), as especialidades que mais geraram processos no período de 2012 a 2015 são Ginecologia e Obstetrícia (1ª), Cirurgia Plástica (2ª) e Clínica Médica (3ª).

Os erros médicos mais comuns são:

– Análise equivocada de exames de imagem

– Cirurgia em membro ou órgão errado

– Remoção do órgão errado

– Realização de cirurgias desnecessárias

– Omissão de tratamentos

– Garantia de resultados em procedimentos estéticos

– Falta de esclarecimento sobre os procedimentos médicos a serem adotados

– Paciente encaminhado para cirurgia no lugar de outro

– Demora no atendimento de gestante

Para evitar tais questionamentos, é preciso valorizar a relação médico-paciente e redobrar a atenção, conferindo os dados antes de realizar qualquer procedimento.

Compartilhe esse artigo!

Share on facebook
Facebook
Share on linkedin
LinkedIn

Esse site utiliza cookies para garantir uma melhor experiência.
Clique em "Aceitar" para seguir ou "Política de Privacidade" para saber mais.

Iniciar conversa
Fale com a DSG
Olá,
Envie sua mensagem que te retornaremos em breve.

Obrigado!