Prova Testemunhal no Processo do Trabalho

A prova testemunhal no processo do trabalho: novos paradigmas interpretativos da Súmula nº 357, do TST

Sabe-se em matéria processual que, de acordo com o art. 818 da CLT e art. 331 do CPC, a prova das alegações cabe às partes que as fizer. Assim, em princípio, cabe ao autor, no processo do trabalho, produzir toda a prova necessária para comprovar o alegado na prefacial, caso o réu não apresente fato impeditivo ao direito do autor, hipótese em que se inverte o ônus da prova.
A fase do processo de conhecimento na Justiça Trabalhista mais esclarecedora para o juiz é, sem dúvida, a instrução processual, na qual são colhidas as provas necessárias à elucidação da lide. E, dentre os meios de prova disponíveis para as partes, a testemunhal é a mais utilizada e aceita para provar os fatos descritos na inicial, além de ser o mais acessível para o reclamante, já que, geralmente, não possui documentos suficientes para comprovar o postulado.

É bem verdade que a prova testemunhal é de extrema importância para a formação do convencimento do juiz, e tem grande relevância para o direito instrumental. Tanto é assim que, apesar das disposições contidas no art. 405 do CPC e art. 829 da CLT, o C. Tribunal Superior do Trabalho editou a Súmula 357, a fim de proteger o meio de prova mais utilizado pelos empregados, tradicionalmente parte mais fraca no litígio. In litteris:

“Súmula nº: 357. Não torna suspeita a testemunha o simples fato de estar litigando ou ter litigado contra o mesmo empregador”.

Tal súmula tem sido aplicada irrestritamente nas instruções processuais. Geralmente, os juízes indeferem contraditas formuladas pela parte ré, que sabem o interesse da potencial testemunha na lide, respaldados no entendimento sumulado acima.

Apenas indagando se o reclamante servirá também de prova testemunhal no processo em que a potencial testemunha é parte.

Entretanto, o dispositivo retro deve ser interpretado cautelosamente, por duas razões: a uma, porque as súmulas são utilizadas apenas para casos em que não há norma específica ou para pacificar uma interpretação da norma; a duas, porque, se a testemunha inquirida litiga com a mesma reclamada e com o mesmo pedido, não é de se duvidar ela será parcial, pois, independentemente de “troca de favores”, ela terá interesse na vitória obreira.

Da análise sistemática do ordenamento posto, exsurge, da própria Carta Política de 1988, que a tripartição dos poderes, externada por norma constitucional de primeiro grau, figura como uma das verdades fundantes de toda sistemática jurídica.

Por conseguinte, as Súmulas Jurisprudenciais emanadas do Poder Judiciário têm o objetivo de preencher as lacunas porventura existentes ou pacificar a correta interpretação acerca de determinado dispositivo legal. Não podem, entretanto, ser utilizadas como instrumentos legislativos, pois a prerrogativa de criar e aprovar as leis é originária de outro Poder.

Nessa trilha, a Súmula 357 do TST, conforme já explicitado, foi criada para fornecer ao julgador uma interpretação do art. 829 da CLT, não devendo ser aplicada indiscriminadamente para todas as lides.

Assoma-se ao “simples fato” de que trata a súmula, a identidade do objeto da ação. Assim, em verdade, não será considerada suspeita a testemunha que litiga ou já litigou com a mesma reclamada do processo que irá depor, mas, se o objeto de sua demanda é ou foi o mesmo, ela tem interesse na vitória do empregado.

Esse é o entendimento da doutrina, equiparando, inclusive, ao inimigo capital da parte ré aquela testemunha que demanda em juízo, com semelhante pedido, contra a mesma reclamada. Vejamos:

“A testemunha que está em litígio contra a mesma empresa deve ser equiparada ao inimigo capital da parte; o embate litigioso é mau ambiente para a prudência e isenção de ânimo que se exigem da testemunha; entender de outra forma é estimular à permuta imoral de vantagens em falsidades testemunhais mútuas, mesmo sobre fatos verdadeiros; extremamente fácil; ‘reclamante hoje, testemunha amanhã”1.

“Tem a testemunha interesse na solução do litígio quando são idênticos os pedidos que faz em sua ação e na do processo do autor, ainda que parcialmente, não tendo isenção de ânimo para depor, pois seu envolvimento irá influir em sua visão da realidade, externando aquilo que entende para si devido e não o que realmente ocorreu; deixando, portanto, de haver imparcialidade, resultando no interesse na solução da demanda que em relação a ela pretenda ser igual”2.

Aliás, acertadamente, a jurisprudência dos Tribunais Regionais, antes da edição da súmula 357, dava conta pela suspeição da testemunha na questão em comento. Vejamos a seguinte decisão:

“Acolhimento de contradita de testemunhas, que têm em curso ação contra a mesma reclamada e com o mesmo objetivo. Inocorrência. Interesse evidente. Suspeição destas caracterizada. Não ocorre cerceamento de defesa quando o juiz acolhe a contradita de testemunhas, se estas, perquiridas a respeito, declaram ter ação em curso contra a mesma reclamada e com o mesmo objeto, pois, em casos que tais, flagrante o seu interesse no sucesso da demanda, o que lhes acarreta a suspeição para depor, consoante a previsão contida no inciso IV do art. 405, do CPC.”3

Na prática, geralmente o Juízo tende a aceitar as contraditas formuladas pela parte ré quando há a troca de favores, ou seja, quando o autor foi ou será testemunha do depoente. Basta a simples alegação de que o autor não será testemunha na ação do depoente para o indeferimento da contradita.

A troca de favores, conforme entendido pelos juizes trabalhistas, torna suspeita a testemunha, não sendo válida como meio regular de prova. A caracterização da troca de favores é extremamente fácil de ser burlada, bastando que um grupo de três empregados, que litiga contra a mesma empregadora, se reveze em seus depoimentos. Assim, jamais se comprovará a troca de favores, já que o reclamante (1) de uma ação será testemunha de outro reclamante (2), que, por sua vez, servirá de prova testemunhal para o outro autor (3), que testemunhará em favor do reclamante (1), fechando-se o ciclo.

É evidente que, na hipótese, também está presente a troca de favores e o Juízo só saberá se a testemunha tem interesse no litígio se a empregadora formular contradita, bem como provar a identidade das demandas. Dizer que testemunha arrolada pelo empregado é imparcial e possui isenção de ânimo para depor, nesse caso, é, claramente, aplicar erroneamente a Súmula 357 do C. TST, ao arrepio do art. 829 da CLT e art. 405, §3º do CPC.

A Quarta Turma do C. TST, em recente acórdão publicado em 09/09/2005, entendeu ser inválida a oitiva da testemunha que possuir ação contra a mesma empresa reclamada, com pedidos semelhantes. Vejamos:

TESTEMUNHA – SUSPEIÇÃO – AÇÃO CONTRA O MESMO EMPREGADOR COM IGUAL OBJETO TOMADA DE DEPOIMENTO DIREITO DA PARTE QUE ARROLA – INTERPRETAÇÃO E ALCANCE DA SÚMULA Nº 357 DO TST E DA CLT, ART. 829. A ratio legis do art. 829 da CLT é de que a pessoa que comparece a Juízo para depor como testemunha, sendo parente até o terceiro grau civil, amigo íntimo ou inimigo da parte, deve ser ouvida na condição de mera informante. Não pode o juiz recusar-se a ouvi-la, nessa condição, havendo requerimento da parte, sob pena de se caracterizar ofensa ao devido processo legal e cerceamento de defesa (CF/88, art. 5º, LIV e LV). A força probante desse tal depoimento, porém, será objeto de valoração pelo juiz, por ocasião da decisão, nos termos do art. 131 do CPC. Na hipótese, o e. Regional mantém a sentença que havia indeferido a oitiva de testemunha, sob o fundamento de troca de favores, em razão de a reclamante ter prestado depoimento em processo movido pela ora testemunha, com o mesmo objeto, contra o mesmo empregador. Neste contexto, impõe-se dar provimento ao recurso de revista, para anular o processo e determinar a sua oitiva, como informante, ante o disposto nos artigos 829 da CLT, 228, IV, e Parágrafo Único, do Código Civil e 405, § 4º, do CPC. Recurso de revista provido4.
(grifos apostos)

Por conseguinte, no caso de necessidade extrema, a testemunha arrolada, que tenha ação trabalhista contra as mesmas reclamadas e com pedidos semelhantes, deve ser ouvida tão somente na qualidade de informante, pela aplicação do art. 405, § 4º, do CPC, interpretando-se, adequadamente, a súmula multimencionada do TST.

Diante de todo o exposto, fica cristalino que o judiciário trabalhista deve ser cauteloso ao interpretar a súmula 357 do C. TST, aplicando-o para aqueles casos em que a testemunha arrolada pelo autor possui ação contra a mesma reclamada, mas com pedidos diferentes. Assim, poderá a testemunha prestar compromisso e seu depoimento servir como prova válida. A aplicação da súmula para todos os casos, a torto e a direito, prejudica a parte contrária e beneficia, de forma injusta, os empregados.

*Advogado com atuação no Direito Empresarial, sócio do escritório DSG – Advogados Associados.

______________
1 CARRION, Valentin. Comentários à Consolidação das leis do Trabalho. 29ª ed., São Paulo: Saraiva, 2004.
2 MARTINS, Sérgio Pinto. Comentários à CLT. 8ª ed. São Paulo: Atlas, 2004.
3 Ac. TRT 15ª Reg. 5ª T (Ac. 7.288/95), Rel. Juiz Sotero da Silva, DO/SP 22/5/95, Jornal Trabalhista, Ano XII, ny 568, p. 814
4 PROCESSO: RR – 00638-2002-002-04-00. PUBLICAÇÃO: DJ – 9/9/2005. 4ª Turma do Tribunal Superior do Trabalho. Relator: JUIZ CONVOCADO JOSÉ ANTONIO PANCOTTI.

Compartilhe esse artigo!

Share on facebook
Facebook
Share on linkedin
LinkedIn

Esse site utiliza cookies para garantir uma melhor experiência.
Clique em "Aceitar" para seguir ou "Política de Privacidade" para saber mais.

Iniciar conversa
Fale com a DSG
Olá,
Envie sua mensagem que te retornaremos em breve.

Obrigado!