Provável majoração do imposto sobre doações e inventários

Por Rodrigo Colucci Ferrão

Vem sendo divulgado na  imprensa, que representantes do Governo Federal e do Congresso Nacional, na esteira da discussão do pacote anticrise, um esforço na elaboração de  uma agenda positiva de votação, onde seriam  avaliadas  27 propostas legislativas.

Dentre estas propostas está a de número  9 (nove) que trata da  revisão de resolução do Senado que regula o imposto sobre heranças, sobretudo com discussão sobre o teto da alíquota (convergir com a média mundial, que é de 25%) – atualmente o imposto é de 2% a 4%.

Tal fato, alardeado a partir de reuniões de lideranças políticas em Brasília,  vai de encontro as preocupações de muitas famílias que estão antecipando a sucessão para escapar de possível alta do imposto.

Em São Paulo, dados da Secretaria da Fazenda indicam um aumento nas transações em 2015.

A arrecadação do ITCMD teve crescimento real (já descontada a inflação) de 138% em junho ante o mesmo mês de 2014 e de 42% no acumulado do ano.

O imposto é de competência dos Estados e as alíquotas variam de 2% a 8%.

Em geral, a cobrança é maior sobre a herança e menor sobre a doação em vida. Uma modificação nessa estrutura não será tarefa fácil.

Se quiser destinar parte dos recursos estaduais à União ou ter um novo imposto federal sobre herança, o governo terá de modificar a Constituição.

Mas independentemente dessa mudança, os Estados têm liberdade para subir as alíquotas até o limite de 8%.

Diante desse cenário, o que se  recomenda é a doação antecipada, com reserva de usufruto vitalício. Com esse mecanismo, é possível transferir a propriedade de bens aos filhos, garantindo aos pais o uso e a administração do patrimônio, bem como toda a renda gerada por ele.

O bem pode ser repassado a qualquer pessoa, não necessariamente da família, mas é preciso respeitar a cota de cada herdeiro para não haver questionamento judicial.

Alguns Estados permitem que o pagamento do ITCMD seja fatiado. No caso de São Paulo, há duas opções: pagar dois terços do imposto no momento da doação e o restante na passagem do usufruto ou quitar tudo e, mesmo assim, assegurar os direitos do doador.

Em momentos de incerteza tributária, a segunda alternativa é a mais aconselhável, já que garante a alíquota atual para todo o pagamento.

Além da busca pela eficiência fiscal, a doação antecipada permite planejar questões familiares. Isso ocorre por meio da inclusão de cláusulas restritivas.

As três mais conhecidas são: a incomunicabilidade (o herdeiro casado, caso se separe, continua a ser dono do bem recebido via doação), a inalienabilidade (o bem não pode ser vendido, dentro de um prazo estipulado) e a impenhorabilidade (o bem não pode ser usado como garantia para pagar dívidas).

Segundo levantamento de consultorias, existem  diferenças de alíquota entre Brasil e outros onze países.

No Japão, por exemplo, mais da metade do valor do patrimônio doado vai para os cofres públicos.

No Chile, o porcentual é de 35% – mais que o triplo do Brasil.

Já Austrália, Noruega e Inglaterra não têm esse tipo de tributação, mas, em contrapartida, cobram impostos elevados sobre a renda.

Mais um momento para reflexão!

Compartilhe esse artigo!

Share on facebook
Facebook
Share on linkedin
LinkedIn

Esse site utiliza cookies para garantir uma melhor experiência.
Clique em "Aceitar" para seguir ou "Política de Privacidade" para saber mais.

Iniciar conversa
Fale com a DSG
Olá,
Envie sua mensagem que te retornaremos em breve.

Obrigado!