Medida Provisória 927 Perde a Validade Neste Fim De Semana

A Medida Provisória (MP) 927 editada em março deste ano, que alterou as regras trabalhistas para o enfrentamento do período de calamidade pública imposto pelo avanço da covid-19 no país, perdeu a validade neste domingo (19/7).

Assim, os empregadores não podem mais tomar medidas com base nas regras modificadas pela MP 927, e, sim adotar as normas da CLT, sem qualquer tipo de flexibilização. No entanto, tudo o que foi pactuado enquanto estava em vigor a MP, não vai ser considerado inválido, enquanto feito dentro da validade da medida provisória, tem-se a segurança jurídica.

Confira o que mudou com o fim da validade da MP 927:

 Teletrabalho

  • o empregador não poderá determinar unilateralmente a alteração do regime de trabalho presencial para o remoto, desde que seja de comum acordo, mediante aditivo contratual;
  • alteração do teletrabalho para o presencial, poderá ocorrer por determinação do empregador, mediante aditivo contratual, e um prazo de transição de no mínimo 15 dias;
  • o trabalho remoto não pode ser aplicado a estagiários e aprendizes.

Férias individuais

  • a comunicação das férias volta a ser com 30 dias de antecedência;
  • fica proibida a concessão de férias para períodos aquisitivos não adquiridos;
  • o período mínimo de férias individuais deve ser de 14 dias corridos, e os demais 5 dias cada;
  • o pagamento do adicional de 1/3 e o abono pecuniário voltam a ser pagos até 2 dias do início do respectivo período.

Férias coletivas

  • a comunicação das férias coletivas volta a ter que ser feita com 15 dias de antecedência;
  • as férias coletivas devem ser concedidas por um período mínimo de 10 dias;
  • o empregador é obrigado a comunicar a concessão das férias coletivas ao sindicato laboral e ao Ministério do Trabalho.

Feriados

  • o empregador não poderá antecipar o gozo dos feriados.

Banco de horas

  • o banco de horas deixa de poder ser compensado em até 18 meses, voltando ao prazo de 6 meses (em caso de acordo individual).

Segurança e saúde do trabalho

  • os exames médicos ocupacionais voltam a ser exigidos nos prazos regulamentares, sem dispensa de sua realização;
  • os treinamentos previstos em NRs voltam a ser exigidos, tendo que ser realizados de forma presencial e nos prazos regulamentares.

Fiscalização

os auditores do Trabalho deixam de atuar exclusivamente de maneira orientativa.

Compartilhe esse artigo!

Share on facebook
Facebook
Share on linkedin
LinkedIn

Esse site utiliza cookies para garantir uma melhor experiência.
Clique em "Aceitar" para seguir ou "Política de Privacidade" para saber mais.

Iniciar conversa
Fale com a DSG
Olá,
Envie sua mensagem que te retornaremos em breve.

Obrigado!