O que o Empresário Poderá Fazer Nesse Momento tão Delicado? Saiba as Principais Mudanças Trabalhista Decorrente do Corona Vírus (COVID-19)

Visando enfrentar o estado de calamidade pública decorrente do coronavírus (covid-19), o Governo Federal aprovou a Medida Provisória nº 927 que dispõe sobre as medidas trabalhistas que poderão ser adotas pelas empresas frente à crise econômica.

Essa Medida será aplicada durante o estado de calamidade pública, e, para fins trabalhistas, foi confirmado hipótese de força maior, nos termos do art. 501/CLT.

  • QUAIS AS MEDIDAS QUE PODERÃO SER ADOTADAS PELOS EMPREGADORES?

I – teletrabalho;

II – antecipação de férias individuais;

III – concessão de férias coletivas;

IV – aproveitamento e a antecipação de feriados;

V – banco de horas;

VI – suspensão de exigências administrativas em segurança e saúde no trabalho; e

VII – diferimento do recolhimento do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço – FGTS. 

  • TELETRABALHO

I – Alterar o regime de trabalho presencial para o teletrabalho (trabalho a distância) e determinar o retorno ao regime de trabalho presencial, bastando que o colaborador seja notificado com antecedência mínima de 48 horas.

II – Todos os equipamentos tecnológicos e infraestrutura (por exemplo, internet, cadeira, etc.) para o trabalho a distância, serão previstas em contrato escrito, firmado previamente ou no prazo de 30 dias, contado da data da mudança do regime de trabalho.

III – Esse tipo de regime não haverá controle de jornada e, consequentemente, a impossibilidade de pagamento de horas extras, bem como não constitui tempo à disposição, prontidão ou sobreaviso, exceto por acordo individual ou coletivo.

  • ANTECIPAÇÃO DE FÉRIAS INDIVIDUAIS

I – Antecipar as férias, comunicando o colaborador com antecedência mínima de 48 horas, por escrito ou meio eletrônico (priorizar os trabalhadores que pertencem ao grupo de risco).

II – Não poderá ser inferior a 5 dias, bem como poderão ser concedidas no período aquisitivo.

III – Esse tipo de regime não haverá controle de jornada e, consequentemente, a impossibilidade de pagamento de horas extras, bem como não constitui tempo à disposição, prontidão ou sobreaviso, exceto por acordo individual ou coletivo.

IV – O pagamento da remuneração das férias poderá ser efetuado até o 5º dia útil do mês subsequente ao início do gozo das férias.

V – Já o pagamento do um terço de férias poderá ser realizado até a data em que é devido o 13º salário.

  • CONCESSÃO DE FÉRIAS COLETIVAS

I – Antecipar as férias coletivas, notificando em conjunto os colaboradores afetados com antecedência mínima de 48 horas.

II – Não precisará comunicar o Ministério do Trabalho e nem o Sindicato.

  • ANTECIPAÇÃO DE FERIADOS

I – Antecipar o gozo de feriados não religiosos federais, estaduais e municipais, devendo comunicar os empregados com antecedência mínima de 48 horas, mediante indicação expressa dos feriados aproveitados.

II – Já a antecipação dos feriados religiosos, deverá haver a concordância do empregado, mediante acordo individual escrito.

  • BANCO DE HORAS

I – Interromper as atividades pelo empregador e constituir um regime especial de compensação de jornada, por meio de banco de horas, mediante acordo coletivo ou individual formal, para a compensação no prazo de até 18 meses, contado da data de encerramento do estado de calamidade pública.

II – Sempre respeitando a prorrogação da jornada por até 2 horas diárias, não podendo ultrapassar 10 horas diárias de trabalho.

  • SUSPENSÃO DE EXIGÊNCIAS ADMINISTRATIVAS EM SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO

I – Suspensão da realização dos exames médicos ocupacionais periódicos, exceto exames demissionais.

II – Os exames acima serão realizados no prazo de 60 dias, contado da data de encerramento do estado de calamidade pública. Já o exame demissional poderá ser dispensado, caso o mais recente tenha sido realizado há menos de 180 dias.

III – Aplica-se, também, a suspensão para treinamentos periódicos e eventuais.

  • ADIAMENTO DO RECOLHIMENTO DO FGTS

I – Suspensão do recolhimento do FGTS referente às competências de março, abril e maio de 2020, com vencimento em abril, maio e junho de 2020, respectivamente.

II – O seu pagamento poderá ser realizado em até 6 parcelas mensais, com vencimento no 7º dia de cada mês, a partir de julho de 2020, sem a incidência da atualização, multa ou quaisquer outros encargos.

Caro amigo empresário, estamos passando por um momento inédito, toda e qualquer medida que será tomada aos seus colaboradores, nos consulte, pois em todas elas há algum detalhe/requisito que deverá ser observado.

O que me surpreendeu, foi o art. 29 que diz “Os casos de contaminação pelo coronavírus (covid-19) não serão considerados ocupacionais, exceto mediante comprovação do nexo causal.”

Compartilhe esse artigo!

Share on facebook
Facebook
Share on linkedin
LinkedIn

Esse site utiliza cookies para garantir uma melhor experiência.
Clique em "Aceitar" para seguir ou "Política de Privacidade" para saber mais.

Iniciar conversa
Fale com a DSG
Olá,
Envie sua mensagem que te retornaremos em breve.

Obrigado!