PENHORA TOTAL EM CONTA CONJUNTA É AFASTADA PELO STJ

A Corte Especial do Superior Tribunal de Justiça – STJ, decidiu por unanimidade, em 15/06/22, que não é possível penhora integral dos valores depositados em conta bancária conjunta quando apenas um dos titulares for sujeito passivo em processo de execução em que se admitiu a penhora.

No caso concreto, pai e filho têm conta corrente conjunta e os valores foram totalmente bloqueados em uma condenação judicial na qual apenas o pai é o executado no processo. O filho recorreu até o STJ (3ª instância) sustentando que os valores eram de sua exclusiva propriedade.

O STJ entendeu que não houve comprovação de exclusiva titularidade dos valores e reformou o acórdão (decisão de 2ª instância), para que seja restringido apenas 50% que se presumem pertencentes ao filho, cabendo “aos cotitulares e ao exequente a oportunidade de demonstrar que os valores integram o patrimônio de cada um, a fim de afastar a presunção relativa de rateio ao saldo bancário em partes iguais.”

A votação foi unânime e a redação da tese a ser firmada ainda será ajustada pelo relator do caso.

REsp 1.610.844

Compartilhe esse artigo!

Facebook
LinkedIn

Esse site utiliza cookies para garantir uma melhor experiência.
Clique em "Aceitar" para seguir ou "Política de Privacidade" para saber mais.

Iniciar conversa
Fale com a DSG
Olá,
Envie sua mensagem que te retornaremos em breve.

Obrigado!