PREECHIMENTO DE RECEITA MÉDICA POR COMPUTADOR – TROCA DO MEDICAMENTO

Uma paciente, enfermeira, 44 anos, foi a óbito em decorrência de erro na prescrição de medicamento, pois deveria ter recebido “TRAMAL” para dores nas costas, mas acabou sendo ministrado “TRACUR”, utilizado em intubações.  O equívoco aconteceu através do programa de computador que envia a receita da clínica do médico (onde a paciente foi atendida) diretamente para o hospital da rede (cooperativa médica), para ministração do medicamento.

Houve o preenchimento da receita sem o cuidado médico, pois, digitadas as primeiras letras do medicamento indicado, há sugestões automáticas pelo sistema, e o médico não se atentou para o preenchimento automático e acabou prescrevendo medicamento absolutamente errado para a enfermidade da paciente.

Constatou-se falhas sucessivas, tanto na elaboração da receita médica que foi enviada pelo sistema on line para o hospital que ministraria o medicamento para a paciente, quanto do hospital, que não tinha farmacêutico de plantão para separar a medicação e verificar eventual erro na prescrição do medicamento a ser ministrado, além de falha da equipe de enfermagem, que não sabia para qual finalidade o medicamento prescrito era indicado, e mesmo assim, o aplicou.

Valor das condenações: R$ 400.000,00 por danos morais, mais pensão alimentícia mensal até quando a paciente completasse 65 anos de idade.

Fonte: www.tjsp.jus.br – apelação n.º 0002429-78.2015.8.26.0368

Compartilhe esse artigo!

Share on facebook
Facebook
Share on linkedin
LinkedIn

Esse site utiliza cookies para garantir uma melhor experiência.
Clique em "Aceitar" para seguir ou "Política de Privacidade" para saber mais.

Iniciar conversa
Fale com a DSG
Olá,
Envie sua mensagem que te retornaremos em breve.

Obrigado!