CONDOMÍNIO É CONDENADO POR IMPOSSIBILITAR MORADORES DE UTILIZAREM CHURRASQUEIRA DO PRÉDIO

[et_pb_section fb_built=”1″ _builder_version=”3.22.2″ custom_padding=”6px|||||”][et_pb_row _builder_version=”3.25″][et_pb_column type=”4_4″ _builder_version=”3.25″ custom_padding=”|||” custom_padding__hover=”|||”][et_pb_text _builder_version=”3.27.4″]

Um condomínio na cidade de Rio Claro – SP, juntamente com a empresa de serviço de portaria que o atende, foram condenados pelo Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo, a indenizar um casal de moradores que não conseguiu utilizar a churrasqueira do prédio, em função de um erro no agendamento da reserva.

Melhor explicando, o casal comemoraria 10 anos de relacionamento afetivo, juntamente com familiares e amigos, inclusive vindos de outras cidades e, para o evento, reservou a área de lazer do condomínio onde residiam, mediante pagamento da taxa estipulada.

Ocorre que na data do evento, o casal foi surpreendido por outro morador utilizando o espaço, e, descobriu que, por um erro da empresa de portaria, o espaço havia sido reservado para a mesma data, para outros moradores.

No julgamento do recurso apresentado pelo casal, foram considerados como suficientes os fatos constitutivos do direito do casal e, consequentemente, a falha na prestação dos serviços, o que gerou ao condomínio, solidariamente, a responsabilidade pelo ato lesivo derivado da conduta culposa de seu preposto/empregado.  

O Tribunal entendeu que esta situação, além de frustrar a comemoração do casal, não pode ser considerada como de mero aborrecimento e desconforto do casal, posto que os expôs, claramente, a uma condição vexatória e constrangedora perante seus amigos e familiares, em circunstâncias tais capazes de provocar flagrante violação da dignidade humana, o que exigia a devida reparação.

O Tribunal destacou, ainda, que a retratação e a reparação dos prejuízos materiais feitas de forma espontânea pela empresa responsável pela portaria do prédio, minoraram as consequências desagradáveis suportadas pelo casal e, foram consideradas para a não fixação da indenização pelo dano moral em patamar superior.

 

Processo nº 1008699-97.2014.8.26.0510

[/et_pb_text][et_pb_team_member name=”Carla Aparecida do Nascimento” position=”Advogada” image_url=”https://dsgadvogados.com.br/wp-content/uploads/2016/02/4.jpg” admin_label=”Carla Aparecida do Nascimento” _builder_version=”3.0.87″ background_size=”initial” background_position=”top_left” background_repeat=”repeat” custom_padding=”20px|20px|20px|20px” animation=”bottom” border_width_all=”0px” border_color_all=”#0c71c3″ border_style_all=”solid” use_border_color=”on” border_color=”#0c71c3″ border_style=”solid” global_module=”3011″ saved_tabs=”all”]

Leia mais artigos deste autor…

[/et_pb_team_member][/et_pb_column][/et_pb_row][/et_pb_section]

Compartilhe esse artigo!

Share on facebook
Facebook
Share on linkedin
LinkedIn

Esse site utiliza cookies para garantir uma melhor experiência.
Clique em "Aceitar" para seguir ou "Política de Privacidade" para saber mais.

Iniciar conversa
Fale com a DSG
Olá,
Envie sua mensagem que te retornaremos em breve.

Obrigado!