O que é assédio moral no trabalho? Veja como identificar

assédio moral no trabalho - dois funcionários sofrendo assédio moral

O que é assédio moral?

Assédio moral é toda ação que via de regra é violenta contra outra pessoa, normalmente submissa à agressora, com intenção de humilhar, agredir, perseguir, constranger, denegrir, enfim, é uma ação negativa que visa agredir outra pessoa.

Normalmente o assédio moral não ocorre em uma única ação, é contínuo e repetido sempre que o agressor pode, sempre com a intenção de cometer uma violência psicológica.

O assédio moral no trabalho

O assédio moral no trabalho pode ser cometido de diversas formas e pessoas, tanto do superior hierárquico com um subordinado, dos subordinados contra o superior hierárquico, do mesmo nível hierárquico, e, inclusive, pela própria empresa, quando estimula políticas e atos de seus administradores que cometem assédio moral contra todos os funcionários.

O assédio moral pode ser caracterizado por diversas formas, desde atos violentos, afrontosos, mas também com supostas brincadeiras que colocam o assediado em situação constrangedora perante terceiros, ou até mesmo broncas ou cobranças públicas, dependendo do teor, são uma forma de assédio.

Há também o assédio moral silencioso, que ao invés de ser representado por alguma ação agressiva, vexatória, desrespeitosa ou abusiva, ignorar um funcionário, o isolar de colegas e de atividades funcionais de seu cargo, também é uma forma de assédio moral.

Quando uma atitude é considerada assédio moral no trabalho? Como Identificar

O tipo de assédio moral mais comum é o hierárquico, em que o superior destrata os seus subordinados de várias formas, seja por gritos, xingamentos, broncas em excesso e com teor desrespeitoso, exposição pública vexatória, humilhação, ameaças, uso da hierarquia para chantagear ou exigir que seja praticado determinado ato por imposição, desrespeito moral, à dignidade, brincadeiras constrangedoras, enfim, há diversas formas de assédio moral.

Talvez a forma mais difícil de ser identificada, mas que é tão grave quando o assédio moral direto, é o indireto ou silencioso, quando um funcionário é literalmente isolado dos demais, ou retiram todas as suas funções, deixando-o sem ter nenhuma função ou é atribuída uma função incompatível com o cargo na intenção de humilhar o assediado.

Há diversas atitudes que configuram o assédio moral, dentre elas: retirar a autonomia do colaborador ou contestar, a todo o momento, suas decisões, sobrecarregar o colaborador com novas tarefas ou retirar o trabalho que habitualmente competia a ele executar, provocando a sensação de inutilidade e de incompetência, ignorar a presença do assediado, dirigindo-se apenas aos demais colaboradores, passar tarefas humilhantes, gritar ou falar de forma desrespeitosa, não levar em conta seus problemas de saúde, criticar a vida particular da vítima, atribuir apelidos pejorativos, impor punições vexatórias, postar mensagens depreciativas em grupos nas redes sociais, evitar a comunicação direta, dirigindo-se à vítima apenas por e-mail, bilhetes ou terceiros e outras formas de comunicação indireta, isolar fisicamente o colaborador para que não haja comunicação com os demais colegas, desconsiderar ou ironizar, injustificadamente, as opiniões da vítima, impor condições e regras de trabalho personalizadas, diferentes das que são cobradas dos outros profissionais, delegar tarefas impossíveis de serem cumpridas ou determinar prazos incompatíveis para finalização de um trabalho, vigilância excessiva, limitar o número de vezes que o colaborador vai ao banheiro e monitorar o tempo que lá ele permanece, advertir arbitrariamente, instigar o controle de um colaborador por outro, criando um controle fora do contexto da estrutura hierárquica, para gerar desconfiança e evitar a solidariedade entre colegas, dentre outras.

De uma forma geral, pode-se afirmar que o assédio moral sempre está caracterizado quando a dignidade do assediado é desrespeitada propositalmente pelo assediador.

O assédio moral e o espaço físico da empresa

O assédio moral dentro do ambiente de trabalho e durante a jornada é o mais comum de ser cometido, mas ele pode ocorrer também fora do espaço físico da empresa, principalmente quando há a necessidade de se realizar alguma atividade fora do ambiente de trabalho ou até mesmo em festas de confraternização da empresa ou ataques à vítima fora do horário de trabalho.

Se restar caracterizado o assédio moral foral do ambiente de trabalho, é sim possível aplicá-lo para fins de indenização, por exemplo, se um chefe, na festa de confraternização da empresa, na presença de todos os colaboradores, manda um único funcionário sentar sozinho e proíbe os demais de sentarem junto e conversar com o assediado, mesmo não estando no local de trabalho, está configurado o assédio moral, assim como se o chefe envia mensagens ofensivas em redes sociais ou aplicativos de celular fora do local e horário de trabalho.

O fato é que o assédio moral não ocorre só no horário ou no ambiente de trabalho, pois ele se estende, seja os efeitos ou as ações, à vida pessoal do assediado e só assediador no local de trabalho, mas para que seja configurado fora do espaço físico, é preciso provar que ocorreu fora do horário ou do local de trabalho.

Os tipos de assédio moral no trabalho

Há diversos tipos de assédio moral, dentre os quais se destacam:

  • interpessoal: ocorre de forma individual, direta e pessoal;
  • institucional: quando a própria empresa estimula a prática de assédio contra seus colaboradores;
  • vertical descendente: o superior hierárquico pratica contra os subordinados;
  • vertical ascendente: um indivíduo ou grupo de colaboradores praticam contra seu chefe;
  • horizontal: a empresa estimula a política de competição excessiva entre os colaboradores ao ponto de um agredir moralmente o outro;
  • misto: quando ocorre o descendente e o horizontal.

O que não é assédio moral?

É importante separar as situações de assédio e as situações que são mais rígidas, mas fazem parte da relação de trabalho, como, por exemplo, exigências profissionais para que o trabalho seja cumprido com eficiência e estimular o cumprimento de metas, eventuais reclamações por tarefa não cumprida ou realizada com displicência não configuram assédio moral, aumento do volume de trabalho em períodos de necessidade, a realização de serviço extraordinário dentro dos limites da legislação e por necessidade de serviço, já que a sobrecarga de trabalho só pode ser vista como assédio moral se usada para desqualificar especificamente um indivíduo ou se usada como forma de punição, o uso de mecanismos tecnológicos de controle para gerir o quadro de pessoal, uma vez que servem para o controle da frequência e da assiduidade dos colaboradores e até a condição física do ambiente de trabalho não representa assédio moral, a não ser que o profissional seja colocado nessas condições com o objetivo de desmerecê-lo frente aos demais ou puni-lo.

O que fazer ao sofrer assédio moral no trabalho?

Ao sofrer assédio moral no trabalho é muito importante que a vítima guarde e produza todas as provas que puder, tanto escritas, testemunhais, anotar, com detalhes, todas as situações de assédio sofridas com data, hora e local, e listar os nomes dos que testemunharam os fatos, buscar ajuda dos colegas, principalmente daqueles que testemunharam o fato ou que já passaram pela mesma situação,  buscar orientação psicológica sobre como se comportar para enfrentar tais situações, comunicar a situação ao setor responsável, ao superior hierárquico do assediador ou à Ouvidoria, caso não tenha sucesso na denúncia, procurar o sindicato profissional ou o órgão representativo de classe; fazer denúncia no Ministério Público do Trabalho e avaliar a possibilidade de ingressar com ação judicial de reparação de danos morais.

Ação por assédio moral no trabalho

A ação de assédio moral tem como objetivo cobrar uma indenização por danos sofridos pelo funcionário em razão do assédio sofrido, portanto, é muito importante que se tenham provas a serem utilizadas na ação, tanto escritas, gravações, fotos, testemunhos de colegas, enfim, tudo que possa ser utilizado e comprovado, inclusive eventuais denúncias internas que não tenham sido tratadas.

Como provar o assédio moral

Conforme destacamos acima, a prova do assédio moral pode se dar de diversas formas, seja por e-mail, mensagem de celular, mudanças físicas do local de trabalho, gravações de áudios do assediador, testemunhas que tenham passado ou presenciado o assédio também são aceitas como provas, enfim, tudo que possa comprovar a situação que está ocorrendo.

Também é imprescindível procurar a assessoria de um advogado, que poderá orientar sobre como agir e o que fazer nessa situação, inclusive que possa instruir a ação judicial a ser ajuizada, ressaltando que o funcionário pode ajuizar a medida judicial ainda enquanto estiver com vínculo de trabalho na empresa, não é necessário esperar uma rescisão para buscar seus direitos na justiça, até porque, quanto mais tempo passar nessa situação de assédio, piores serão as consequências para sua saúde.

A responsabilidade da empresa em casos de assédio 

O papel da empresa nos casos de assédio é imprescindível, já que em relação à responsabilidade com o assediado não há o que fazer, mas ela pode cobrar do funcionário assediador ou até demiti-lo por justa causa dependendo da situação.

Para isso, é preciso que a empresa faça sua parte, ao tomar conhecimento de uma situação de assédio, deve chamar o assediador imediatamente para advertir e orientá-lo sobre sua postura inadequada, oferecer cursos e treinamentos internos sobre assédio moral para que todos os colaboradores possam evitar situações de assédio e saibam identificar se presenciarem uma.

A empresa deve oferecer aos colaboradores um setor interno para que denúncias e reclamações possam ser realizadas pelos funcionários e com base nisso apurar internamente o que ocorreu e, dependendo da situação, punir o assediador, ressaltando que a empresa vai se responsabilizar sobre os atos de assédio praticados contra a vítima.

Como evitar problemas com assédio moral no trabalho?

A principal ferramenta para se prevenir o assédio moral é a informação, por isso, é preciso enfrentar o problema de frente e agir para que o assédio não ocorra e, se ocorrer, que as medidas necessárias sejam tomadas.

Incentivar a efetiva participação de todos os colaboradores na vida da empresa, com definição clara de tarefas, funções, metas e condições de trabalho, instituir e divulgar um código de ética da instituição, enfatizando que o assédio moral é incompatível com os princípios organizacionais, promover palestras, oficinas e cursos sobre o assunto, incentivar as boas relações no ambiente de trabalho, com tolerância à diversidade de perfis profissionais e de ritmos de trabalho, realizar avaliação de riscos psicossociais no ambiente de trabalho, garantir que práticas administrativas e gerenciais na organização sejam aplicadas a todos os colaboradores de forma igual, com tratamento justo e respeitoso, oferecer apoio psicológico e orientação aos colaboradores que se julguem vítimas de assédio moral, estabelecer canais de recebimento e protocolos de encaminhamento de denúncias, enfim, cuidar das pessoas que trabalham para a instituição.

Compartilhe esse artigo!

Share on facebook
Facebook
Share on linkedin
LinkedIn

Esse site utiliza cookies para garantir uma melhor experiência.
Clique em "Aceitar" para seguir ou "Política de Privacidade" para saber mais.

Iniciar conversa
Fale com a DSG
Olá,
Envie sua mensagem que te retornaremos em breve.

Obrigado!