COBRANÇA DE ITCMD SOBRE DÍVIDA PERDOADA

[et_pb_section fb_built=”1″ _builder_version=”3.19.17″ custom_padding=”29px|0px|54px|0px|false|false”][et_pb_row _builder_version=”3.19.17″ custom_padding=”0|0px|27px|0px|false|false”][et_pb_column type=”4_4″ _builder_version=”3.19.17″][et_pb_text _builder_version=”3.19.17″]

O Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo tem decidido que incide ITCMD (Imposto de Transmissão Causa Mortis e Doação) quando ocorre o perdão da dívida, sob a alegação de tratar-se de doação e não de empréstimo.

Melhor explicando, via de regra, os casos julgados são decorrentes de empréstimos familiares declarados no imposto de renda pessoa física e, posteriormente, perdoados pelos credores. A questão é que, muitas vezes, as doações realmente são realizadas sob a forma de empréstimos, justamente para que não incida o ITCMD.

Por óbvio, nos casos em que há a comprovação do empréstimo real, com detalhamento da forma de pagamento e todos os seus desdobramentos, a cobrança do imposto não tem sido aplicada.

Porém, um dos casos onde o Tribunal decidiu pela incidência do imposto, era de uma dívida oriunda de sociedade empresarial, onde, uma parte do débito foi paga com a cessão das cotas sociais do devedor ao credor e, a outra parte, foi perdoada pelo credor. Mesmo com as explicações do contribuinte, o Tribunal entendeu que não houve demonstração inequívoca das transferências realizadas e de documentação sobre a dívida contraída.

Das quatro Turmas do tribunal que já decidiram sobre a questão, somente uma delas foi favorável ao contribuinte, julgando pela não incidência do imposto.

O único caso favorável ao contribuinte ocorreu em 2016, onde a 9ª Câmara do Tribunal entendeu que houve um equívoco no preenchimento da declaração do imposto de renda e, ainda, que não se pode equiparar o perdão de dívida com doação, por representar violação do princípio da legalidade tributária.

Diante do posicionamento reiterado do Tribunal de São Paulo, a falta de cuidado em documentar as transações de empréstimos, sejam familiares ou empresariais, e todos os seus desdobramentos, pode acarretar a incidência do ITCMD sobre o montante eventualmente perdoado e a cobrança superveniente pelo Fisco.

[/et_pb_text][et_pb_team_member name=”Carla Aparecida do Nascimento” position=”Advogada” image_url=”https://dsgadvogados.com.br/wp-content/uploads/2016/02/4.jpg” admin_label=”Carla Aparecida do Nascimento” _builder_version=”3.0.87″ background_size=”initial” background_position=”top_left” background_repeat=”repeat” border_width_all=”0px” border_color_all=”#0c71c3″ border_style_all=”solid” custom_padding=”20px|20px|20px|20px” animation=”bottom” use_border_color=”on” border_color=”#0c71c3″ border_style=”solid” saved_tabs=”all” global_module=”3011″]
Leia mais artigos deste autor… [/et_pb_team_member][/et_pb_column][/et_pb_row][/et_pb_section]

Compartilhe esse artigo!

Share on facebook
Facebook
Share on linkedin
LinkedIn

Esse site utiliza cookies para garantir uma melhor experiência.
Clique em "Aceitar" para seguir ou "Política de Privacidade" para saber mais.

Iniciar conversa
Fale com a DSG
Olá,
Envie sua mensagem que te retornaremos em breve.

Obrigado!