EMPREGADOS SÃO CONDENADOS CRIMINALMENTE PELO USO DE ATESTADO MÉDICO FALSO

[et_pb_section fb_built=”1″ _builder_version=”3.22″][et_pb_row _builder_version=”3.25″ background_size=”initial” background_position=”top_left” background_repeat=”repeat”][et_pb_column type=”4_4″ _builder_version=”3.25″ custom_padding=”|||” custom_padding__hover=”|||”][et_pb_text _builder_version=”3.27.4″ background_size=”initial” background_position=”top_left” background_repeat=”repeat”]O Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo condenou dois funcionários por terem apresentado atestados médicos falsos à empresa em que trabalhavam. Ambos faltaram ao trabalho por onze dias, sob a justificativa de terem sofrido um acidente de moto.

Contudo, o empregador, entrou em contato com o hospital no qual foram emitidos e constatou que eram falsos. O médico, cuja assinatura constava nos atestados médicos foi chamado na delegacia para explicações e, na oportunidade, afirmou que as assinaturas ali apostas não eram suas, nem tampouco o carimbo, embora fosse semelhante. Além disso, disse que usualmente não prescreve 11 dias de afastamento, bem como apontou algumas divergências em relação à forma como costuma preencher os atestados.

Em depoimento, um dos funcionários relatou que foi até a Santa Casa passar por consulta médica, pois estava passando mal, dado que havia bebido muito no dia anterior. O médico, um oriental, forneceu-lhe um atestado para um dia de afastamento do trabalho. Ao sair da consulta, do lado de fora do hospital encontrou o seu colega de trabalho, também réu no processo, e os dois foram abordados por um desconhecido que lhes ofereceu atestados médicos, mediante o pagamento de R$25,00 de cada um. Ele afirmou que os atestados eram verdadeiros, pois seriam assinados pelo mesmo médico que atendeu o primeiro funcionário. Forneceu seu nome e número de RG, ao que o rapaz entrou na Santa Casa e saiu com dois atestados na mão, cada um com 11 dias de afastamento. Levaram os atestados para a empresa em que trabalhavam e acabaram demitidos por justa causa.

Os Desembargadores concluíram ser este relato extremamente comprometedor, afinal, a forma como disse que obteve o documento sem o contato direto com o médico, sendo que havia recebido um diagnóstico diverso do que encerra o documento falsificado, já é sintoma claro de que sabia da origem espúria do atestado médico.

Os dois funcionários foram condenados às penas de um ano de reclusão, em regime inicial aberto, a qual foi substituída por prestação de serviços à comunidade, mais o pagamento de 10 dias-multa.
[/et_pb_text][et_pb_team_member name=”Vera Lucia Espinoza Giampaoli” position=”Advogada” image_url=”https://dsgadvogados.com.br/wp-content/uploads/2016/07/foto-1-e1468260412380.jpg” admin_label=”Vera Lucia Espinoza Giampaoli” _builder_version=”3.0.87″ background_size=”initial” background_position=”top_left” background_repeat=”repeat” custom_padding=”20px|20px|20px|20px” animation=”bottom” border_width_all=”0px” border_color_all=”#0c71c3″ border_style_all=”solid” use_border_color=”on” border_color=”#0c71c3″ border_style=”solid” global_module=”3314″ saved_tabs=”all”]

Leia mais artigos deste autor…

[/et_pb_team_member][/et_pb_column][/et_pb_row][/et_pb_section]

Compartilhe esse artigo!

Share on facebook
Facebook
Share on linkedin
LinkedIn

Esse site utiliza cookies para garantir uma melhor experiência.
Clique em "Aceitar" para seguir ou "Política de Privacidade" para saber mais.

Iniciar conversa
Fale com a DSG
Olá,
Envie sua mensagem que te retornaremos em breve.

Obrigado!