Empresa pode realizar revista em trabalhadores

revista em trabalhadores

[et_pb_section fb_built=”1″ admin_label=”section” _builder_version=”3.22″][et_pb_row admin_label=”row” _builder_version=”3.25″ background_size=”initial” background_position=”top_left” background_repeat=”repeat”][et_pb_column type=”4_4″ _builder_version=”3.25″ custom_padding=”|||” custom_padding__hover=”|||”][et_pb_text admin_label=”Texto” _builder_version=”3.27.4″ background_size=”initial” background_position=”top_left” background_repeat=”repeat”]O Tribunal Regional do Trabalho de Campinas-SP (TRT – 15ª Região) acolheu o pedido da reclamada e liberou-a da indenização imposta pelo Juízo da Vara do Trabalho de Sumaré, que a condenou a pagar ao reclamante, a título de danos morais, o valor de R$ 6 mil por sofrer revistas íntimas na saída do expediente.

Segundo afirmou o trabalhador no processo: “ao término do expediente de trabalho era obrigado a se despir, submetendo-se a revista íntima”. Para o Juízo de primeira instância, essa prática da empresa configura “abuso do poder diretivo”.

A empresa, porém, negou tais afirmações, salientando que “o reclamante, não se submetia a revistas íntimas”. Mas sim em situações específicas, que ocorriam quando um funcionário, ao passar pela portaria, disparava o alarme do sensor de metais. Nesse caso, “o segurança levava o trabalhador a uma sala reservada e fazia a revista nas mochilas e moderadamente no corpo do empregado”.

Para o relator do acórdão, desembargador Helcio Dantas Lobo Junior, pelo depoimento da testemunha do próprio reclamante, contrariamente ao alegado, “ele não era obrigado a se despir e se submeter a revista íntima”.

O Tribunal entendeu que a revista pela empresa, no caso dos autos, é “legítimo exercício regular do direito à proteção de seu patrimônio” e “se ausente abuso desse direito, quando procedida a revista moderadamente, não há se falar em constrangimento ou em revista íntima e vexatória, a atacar a imagem ou a dignidade do empregado”, razão pela qual decidiu que a indenização imposta pela sentença era indevida. (Processo 0000708-45.2014.5.15.0122)
[/et_pb_text][/et_pb_column][/et_pb_row][/et_pb_section]

Compartilhe esse artigo!

Share on facebook
Facebook
Share on linkedin
LinkedIn

Esse site utiliza cookies para garantir uma melhor experiência.
Clique em "Aceitar" para seguir ou "Política de Privacidade" para saber mais.

Iniciar conversa
Fale com a DSG
Olá,
Envie sua mensagem que te retornaremos em breve.

Obrigado!