ITCMD Incide sobre a soma dos valores doados pelos cônjuges a um mesmo donatário

[et_pb_section fb_built=”1″ _builder_version=”3.22″][et_pb_row _builder_version=”3.25″ background_size=”initial” background_position=”top_left” background_repeat=”repeat”][et_pb_column type=”4_4″ _builder_version=”3.25″ custom_padding=”|||” custom_padding__hover=”|||”][et_pb_text _builder_version=”3.27.4″ background_size=”initial” background_position=”top_left” background_repeat=”repeat”]Como já é de conhecimento geral, o ITCMD é o imposto que incide sobre a transmissão de bens causa mortis e doações em vida, sendo que, no estado de São Paulo, sua alíquota é de 4% sobre o valor do bem/doação.

A Lei que regula o ITCMD prevê que a obrigação de pagar o imposto é do donatário (recebedor) e, também prevê situações que são isentas do imposto. Uma delas ocorre quando o valor total doado a um mesmo donatário, dentro do mesmo ano, não superar o limite estabelecido pela lei, que em São Paulo é de 2.500 UFESPs (atuais R$ 64.250,00).

A princípio, pode-se concluir que um casal poderia fazer doações separadas ao mesmo donatário, dentro do mesmo ano civil, sem que o donatário fosse tributado. Porém, tal possibilidade somente será válida se o regime de bens do casal for diferente da comunhão parcial ou universal de bens.

Este é o entendimento da Fazenda Estadual e do Tribunal de Justiça de São Paulo, que em recente julgamento determinou que quando os doadores são casados no regime da comunhão parcial ou universal de bens e realizam doações para o mesmo donatário, o limite de isenção não pode ser utilizado para cada um dos cônjuges de forma individualizada.

Isso se justifica pelo fato de que na comunhão de bens o patrimônio do casal é único e, os haveres do casal permanecem em propriedade comum e cada cônjuge exerce a propriedade sobre a totalidade dos bens. Assim, da mesma forma que o patrimônio do casal é comum, o limite de isenção também deve ser comum.

No mesmo sentido, a Fazenda do Estado entendeu que se os doadores forem casados sob o regime da comunhão parcial ou da comunhão universal de bens, a doação será considerada única, o que implica em um limite único de isenção do ITCMD.

Diante do entendimento acima, necessário ter atenção quanto às doações já realizadas ou as pretendidas, considerando sempre o regime de bens adotados pelos doadores, para que não haja surpresas com autuações e cobranças de ITCMD futuras.
Att.

Dr. Rodrigo de Abreu Gonzales.

Dr. Dagoberto Silvério.
[/et_pb_text][/et_pb_column][/et_pb_row][/et_pb_section]

Compartilhe esse artigo!

Share on facebook
Facebook
Share on linkedin
LinkedIn

Esse site utiliza cookies para garantir uma melhor experiência.
Clique em "Aceitar" para seguir ou "Política de Privacidade" para saber mais.

Iniciar conversa
Fale com a DSG
Olá,
Envie sua mensagem que te retornaremos em breve.

Obrigado!