Justiça do Trabalho reconhece vínculo empregatício de motorista com Uber

Uber

A Justiça do Trabalho reconheceu a existência de vínculo empregatício entre um motorista e a plataforma Uber.

A decisão foi da 33ª Vara do Trabalho, em Belo Horizonte (MG), do Tribunal Regional do Trabalho da 3ª Região, em 13/02/2017.

Com isso, caso a decisão não seja reformada, a empresa alternativa de transportes terá de pagar benefícios trabalhistas referentes ao período em que o trabalhador esteve ligado a ela, além de outros encargos como verbas rescisórias e o gasto com combustível, balas e água.

Na decisão, o Juiz diz que “uberização” se caracteriza pela “tentativa de autonomização dos contratos de trabalho e na utilização de inovações disruptivas nas formas de produção”.

Para ele, esse é “um fenômeno que descreve a emergência de um novo padrão de organização do trabalho a partir dos avanços da tecnologia” e “tem potencial de se generalizar para todos os setores da atividade econômica”.

O magistrado reconheceu que a relação entre o motorista e a Uber cumpria os requisitos fixados na lei trabalhista para definir um vínculo de trabalho:

  1. relação entre empresa e pessoa física;
  2. pessoalidade (só o motorista pode dirigir);
  3. onerosidade (a remuneração é feita pela empresa);
  4. não eventualidade ou habitualidade (o serviço não é prestado de forma esporádica);
  5. subordinação (os condutores têm de respeitar as regras da Uber).

Compartilhe esse artigo!

Share on facebook
Facebook
Share on linkedin
LinkedIn

Esse site utiliza cookies para garantir uma melhor experiência.
Clique em "Aceitar" para seguir ou "Política de Privacidade" para saber mais.

Iniciar conversa
Fale com a DSG
Olá,
Envie sua mensagem que te retornaremos em breve.

Obrigado!