Mídias virtuais – As pessoas estão produzindo provas contra si mesmas sem se dar conta

Mídias virtuais

Tudo o que se faz no mundo virtual pode ter implicações legais. Cada vez mais o Judiciário tem levado em conta nas suas decisões as provas oriundas do Facebook®, WhatsApp®, dentre outros.

Em recente julgamento, o Tribunal Regional do Trabalho condenou uma empresa a pagar indenização a um funcionário que foi xingado pelo seu chefe através de mensagem do WhatsApp® (palavras do chefe: “o que você tá pensando? Seu moleque! Quem manda aí sou eu! Seu m.!”)

Já em outra ação, com base em uma troca de mensagens feita pelo WhatsApp®, uma empresa conseguiu manter a demissão por justa causa de um funcionário que era questionada na justiça. A magistrada concluiu que as mensagens apresentadas deixavam evidente que o ex-empregado estava cometendo faltas de forma recorrente com o objetivo de ser demitido sem justa causa e obter as verbas da rescisão (seguro-desemprego, aviso prévio indenizado, multa de 40% sobre o FGTS e ainda sacar o saldo deste).

Para atingir seu objetivo o empregado faltou cinco vezes, chegou atrasado em duas, e saiu dois serviço antes do final do expediente em quatro vezes, tudo num período de quatro meses.

Os casos acima demonstram que empregadores e empregados devem sempre agir com respeito mútuo, dentro das normas da boa convivência, e que estas condutas exigidas no mundo real o são também no mundo virtual.

 

Brincadeiras, “memes”, ridicularizando e expondo a condutas vexatórias o chefe ou colega de trabalho, críticas, fofocas, devem ser evitadas. Cautela nos vídeos e informações compartilhadas também é muito bem vinda.

Compartilhe esse artigo!

Share on facebook
Facebook
Share on linkedin
LinkedIn

Esse site utiliza cookies para garantir uma melhor experiência.
Clique em "Aceitar" para seguir ou "Política de Privacidade" para saber mais.

Iniciar conversa
Fale com a DSG
Olá,
Envie sua mensagem que te retornaremos em breve.

Obrigado!