Receita aponta os erros mais comuns na declaração do IRPF

[et_pb_section fb_built=”1″ _builder_version=”3.22″ custom_padding=”0|0px|54px|0px|false|false”][et_pb_row _builder_version=”3.25″ custom_padding=”9px|0px|27px|0px|false|false”][et_pb_column type=”4_4″ _builder_version=”3.25″ custom_padding=”|||” custom_padding__hover=”|||”][et_pb_text _builder_version=”3.27.4″]

Começou na última quinta-feira, 7 de março, o período de entrega das declarações do Imposto de Renda 2019. Neste ano, o prazo é menor: termina no dia 30 de abril. Por isso, a recomendação é redobrar a atenção para as informações a serem declaradas e evitar cair na malha fina em virtude de dados incorretos.

 Entre os erros cometidos pelos contribuintes, o mais comum é a omissão de rendimentos, tanto de declarantes como de dependentes e se o contribuinte identificar erros em sua declaração deve fazer uma declaração retificadora o quanto antes para evitar eventuais penalidades.

 Veja abaixo os erros mais comuns dos contribuintes de acordo com a Receita Federal:

 Omitir rendimentos

 Rendimentos como salários, pró-labores, honorários, aposentadorias, aluguéis, comissões, dentre outros, são tributáveis e devem ser informados, mesmo que não somem o valor superior a R$ 28.559,70, caso o contribuinte se enquadre em situação de obrigatoriedade de declaração.

 Informações de dependentes

 Desde o ano de 2018, todos os dependentes devem ter o CPF informado. Além disso, caso o dependente tenha algum tipo de rendimento, esse valor deve ser declarado, mesmo que seja isento de tributação. Outra informação importante é a de que a inclusão da mesma pessoa em duas ou mais declarações como dependente não é admitida pela Receita Federal.

 Despesas com educação

 A legislação só permite dedução de cursos regulares, como escolas de ensino fundamental e médio e universidades. Cursos de idiomas ou gastos com material, por exemplo, não são despesas dedutíveis.

 Planos de previdência complementar

 São dois os tipos de planos de previdência: o PGBL e o VGBL. Este segundo, no entanto, é considerado uma aplicação financeira. O PGBL é dedutível e deve ser informado na ficha de pagamentos efetuados – o limite para abatimento de despesas neste caso é de 12% da renda tributável do contribuinte. Quem tem plano VGBL deve apenas informar o saldo da aplicação no campo de Bens e Direitos. Mas vale lembrar que só é possível deduzir despesas com as contribuições ao PGBL para quem opta pelo modelo completo de declaração.

 Despesas médicas

 Devem ser lançadas na declaração do beneficiário. Também é importante que o contribuinte guarde comprovantes de gastos médicos por até cinco anos a partir da data da entrega da declaração, inclusive em caso de retificação, pois esses documentos podem ser exigidos pela Receita. Vacinas e medicamentos não são gastos dedutíveis.

 Valor dos bens

Não se deve atualizar o valor de um imóvel ou de um carro pelo preço de mercado. No caso de um imóvel, a Receita Federal explica que o custo de aquisição do imóvel somente poderá ser alterado caso sejam efetuadas despesas com construção, ampliação ou reforma e que esses gastos devem ser comprovados por documentação, como notas fiscais.

[/et_pb_text][et_pb_team_member name=”Andreia Martins Crespo” position=”Advogada” image_url=”https://dsgadvogados.com.br/wp-content/uploads/2018/08/DRA_andreia.jpg” admin_label=”Andreia Martins Crespo” _builder_version=”3.10″ border_color_all=”#1e73be” global_module=”4422″ saved_tabs=”all”]

Leia mais artigos deste autor…

[/et_pb_team_member][/et_pb_column][/et_pb_row][/et_pb_section]

Compartilhe esse artigo!

Share on facebook
Facebook
Share on linkedin
LinkedIn

Esse site utiliza cookies para garantir uma melhor experiência.
Clique em "Aceitar" para seguir ou "Política de Privacidade" para saber mais.

Iniciar conversa
Fale com a DSG
Olá,
Envie sua mensagem que te retornaremos em breve.

Obrigado!