Reforma Trabalhista – Gestante e Lactante

[et_pb_section fb_built=”1″ _builder_version=”3.22″][et_pb_row _builder_version=”3.25″ background_size=”initial” background_position=”top_left” background_repeat=”repeat”][et_pb_column type=”4_4″ _builder_version=”3.25″ custom_padding=”|||” custom_padding__hover=”|||”][et_pb_text _builder_version=”3.27.4″ background_size=”initial” background_position=”top_left” background_repeat=”repeat”]Continuando a apresentar algumas das principais alterações promovidas pela Lei nº 13.467/2017, que entrarão em vigor a partir de novembro de 2017, hoje falaremos da gestante e da lactante.

O texto da reforma prevê mudanças que atingem as mães, lactantes e gestantes.

 – Insalubridade (art. 394-A):

 De grande importância às gestantes e lactantes, esse é um dos pontos que vêm gerando maior impacto e repercussão nas mídias.

Em linhas gerais, as atividades e operações insalubres são aquelas que por sua natureza, condições ou métodos de trabalho expõem o empregado a agentes nocivos à saúde, sendo classificadas como grau mínimo, grau médio ou grau máximo, de acordo com sua gravidade, nos termos da Norma Regulamentadora 15.

Com a inclusão do novo artigo pela Reforma, há previsão de afastamento das gestantes de trabalhos insalubres somente se forem considerados de grau máximo (essa alteração não se aplica a lactante, pois é possível trabalho insalubre em grau máximo durante a lactação, exceto se a empregada apresentar atestado médico).

Para grau médio e mínimo, a empregada terá que apresentar atestado médico, recomendando o afastamento durante a gestação, caso contrário ela deverá laborar normalmente.

– Intervalo para amamentação (art. 396, § 2º):

Atualmente, já garantido pelo art. 393 da CLT, a gestante possui direito ao intervalo de dois descansos especiais, de meia hora cada um, para amamentar o próprio filho, até que ele complete seis meses de idade. Esse período de seis meses poderá ser ampliado, a critério do médico, dependendo das condições de saúde da criança.

Com a Reforma foi estipulado que estes intervalos para amamentação, poderão ser definidos em acordo individual entre empregada e empregador, minimizando discussões e trazendo segurança às partes.

OUTRAS ALTERAÇÕES DA REFORMA CLIQUE AQUI

Aponta-se por oportuno que, por ser considerado um dos assuntos mais “delicados” da Reforma, há uma grande expectativa a previsão do trabalho insalubre para gestantes, seja abordada em Medida Provisória, com ajustes em sua redação, mas apenas expectativas neste momento.

 

Estamos à disposição para maiores esclarecimentos.
[/et_pb_text][/et_pb_column][/et_pb_row][/et_pb_section]

Compartilhe esse artigo!

Share on facebook
Facebook
Share on linkedin
LinkedIn

Esse site utiliza cookies para garantir uma melhor experiência.
Clique em "Aceitar" para seguir ou "Política de Privacidade" para saber mais.

Iniciar conversa
Fale com a DSG
Olá,
Envie sua mensagem que te retornaremos em breve.

Obrigado!