Reforma Trabalhista – Salário, Equiparação Salarial e Cargo de Confiança

[et_pb_section fb_built=”1″ _builder_version=”3.22″][et_pb_row _builder_version=”3.25″ background_size=”initial” background_position=”top_left” background_repeat=”repeat”][et_pb_column type=”4_4″ _builder_version=”3.25″ custom_padding=”|||” custom_padding__hover=”|||”][et_pb_text _builder_version=”3.27.4″ background_size=”initial” background_position=”top_left” background_repeat=”repeat”]Continuando a apresentar algumas das principais alterações promovidas pela Lei nº 13.467/2017, que entrarão em vigor a partir de novembro de 2017, hoje falaremos da remuneração, equiparação salarial e cargo de confiança.

 – Remuneração (arts. 457, §§ 2º e 4º e 458, § 5º):

A nova Lei coloca fim à discussão sobre o benefício que integra ao salário. Pela redação, não importa se são parcelas pagas com habitualidade ou não, elas não integraram a base de cálculo salarial. Essas parcelas são:

  • ajuda de custo;
  • auxílio alimentação, vedado seu pagamento em dinheiro;
  • diárias para viagens;
  • prêmios (concedidas pelo empregador em forma bens, serviços ou valor);
  • abonos; e
  • assistência médica/odontológica, ainda que quando concedidos em diferentes modalidades de planos e coberturas.

Equiparação salarial (art. 461):

As alterações desta norma visaram resolver alguns abusos pela interpretação da regra anterior relativa à “equiparação salarial”.

Portanto, a partir deste marco normativo, a caracterização da equiparação salarial deverá observar os seguintes requisitos:

  • necessário que a atividade seja prestada no mesmo estabelecimento empresarial;
  • além do tempo na função não superior a 2 anos, será igualmente necessário que a diferença do tempo de serviço seja inferior a 4 anos;
  • vedada a indicação de paradigmas remotos, ainda que o contemporâneo tenha obtido a vantagem em ação judicial.
  • discriminação por sexo ou etnia irá gerar o pagamento de multa, em favor do empregado, no valor de 50% do limite máximo dos benefícios do Regime Geral de Previdência Social.

Cargo de confiança (art. 468, § 2º):

Independente do tempo de exercício do cargo de confiança, a gratificação adicional (40%) não irá incorporar o contrato de trabalho, podendo ser retirada com a reversão do empregado ao seu cargo efetivo.

Alteração que possibilita o retorno de um trabalhador que não se adequou ao cargo de confiança ao seu anterior cargo, com a retirada da gratificação (Plus), sendo que, muitas vezes, pela proibição da retirada do adicional (legislação atual), não restava outra alternativa à empresa, em razão do custo, senão à demissão (muitas vezes de um ótimo funcionário, mas que não tem aptidão à liderança).

 

OUTRAS ALTERAÇÕES DA REFORMA CLIQUE AQUI

Estamos à disposição para maiores esclarecimentos.
[/et_pb_text][/et_pb_column][/et_pb_row][/et_pb_section]

Compartilhe esse artigo!

Share on facebook
Facebook
Share on linkedin
LinkedIn

Esse site utiliza cookies para garantir uma melhor experiência.
Clique em "Aceitar" para seguir ou "Política de Privacidade" para saber mais.

Iniciar conversa
Fale com a DSG
Olá,
Envie sua mensagem que te retornaremos em breve.

Obrigado!