Saiba mais sobre as principais alterações da Reforma Trabalhista

[et_pb_section fb_built=”1″ admin_label=”section” _builder_version=”3.22″][et_pb_row admin_label=”row” _builder_version=”3.25″ background_size=”initial” background_position=”top_left” background_repeat=”repeat”][et_pb_column type=”4_4″ _builder_version=”3.25″ custom_padding=”|||” custom_padding__hover=”|||”][et_pb_text admin_label=”Texto” _builder_version=”3.27.4″ background_size=”initial” background_position=”top_left” background_repeat=”repeat”]Dando continuidade ao assunto, seguem mais algumas importantes novidades da Reforma Trabalhista, a qual, após aprovação pela Câmara dos Deputados, está sendo analisada pelo Senado Federal.

Terceirização:

A proposta legislativa estabelece uma quarentena de 18 meses entre a demissão de um trabalhador (empregado) e sua recontratação, pela mesma empresa, como terceirizado. O texto prevê ainda que o terceirizado deverá ter as mesmas condições de trabalho dos efetivos. Para evitar futuros questionamentos, o texto define que a terceirização alcança todas as atividades da empresa, inclusive a atividade-fim (aquela para a qual a empresa foi criada). A Lei de Terceirização, Lei nº 13.429/17, recentemente publicada, não deixava clara essa possibilidade. A legislação prevê que a contratação terceirizada ocorra sem restrições, inclusive na administração pública.

Homologação da Rescisão Contratual:

Atualmente é exigido que a homologação do contrato de trabalho, após sua  rescisão, seja feita no sindicato dos trabalhadores. Com a mudança, ela passa a ser feita na própria empresa, na presença de advogados do empregador e do trabalhador – que pode ter assistência do sindicato.

Contribuição Sindical:

Atualmente, o tributo é recolhido anualmente e corresponde a um dia de trabalho, para os empregados, e a um percentual do capital social da empresa, no caso dos empregadores. Com a Reforma Trabalhista, a contribuição passa a ser opcional.

Acordo Coletivo:

O texto mantém o prazo máximo de validade de dois anos para os acordos e as convenções coletivas de trabalho, vedando expressamente a ultratividade (aplicação após o término de sua vigência), acabando com discussões jurídicas relativas às previsões inseridas nas Convenções, se integram ou não, definitivamente os contratos de trabalho.

Convenções e acordos coletivos poderão, também, prevalecer sobre a legislação. Dessa forma, sindicatos e empresas poderão negociar condições de trabalho diferentes das previstas em lei, sempre respeitando a Constituição Federal e os assuntos delimitados taxativamente no próprio texto da Reforma.

Na próxima semana, apresentaremos mais algumas importantes novidades da Reforma Trabalhista.
[/et_pb_text][/et_pb_column][/et_pb_row][/et_pb_section]

Compartilhe esse artigo!

Share on facebook
Facebook
Share on linkedin
LinkedIn

Esse site utiliza cookies para garantir uma melhor experiência.
Clique em "Aceitar" para seguir ou "Política de Privacidade" para saber mais.

Iniciar conversa
Fale com a DSG
Olá,
Envie sua mensagem que te retornaremos em breve.

Obrigado!