STJ valida penhora de salário para pagamento de aluguéis atrasados

[et_pb_section fb_built=”1″ admin_label=”section” _builder_version=”3.22″][et_pb_row admin_label=”row” _builder_version=”3.25″ background_size=”initial” background_position=”top_left” background_repeat=”repeat”][et_pb_column type=”4_4″ _builder_version=”3.25″ custom_padding=”|||” custom_padding__hover=”|||”][et_pb_text admin_label=”Texto” _builder_version=”3.27.4″ background_size=”initial” background_position=”top_left” background_repeat=”repeat”]No início do mês de maio, o Superior Tribunal de Justiça (STJ) manteve a decisão do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo, que determinou a penhora de 10% do salário do inquilino/locatário devedor para o pagamento de aluguéis e respectivos encargos em atraso há 10 anos.

A regra geral imposta pela Lei Processual Civil é que são impenhoráveis os salários.

Inobstante a regra legal, o bloqueio do percentual do salário do devedor visando a quitação dos débitos locatícios, foi permitido e mantido pelo STJ, por se constituir, no caso em julgamento, após buscas infrutíferas por outros bens, a única possibilidade de recebimento do credor e, também pelo fato de que o percentual bloqueado, por ser mínimo, não comprometeria a subsistência digna do devedor e de sua família.

A Ministra Nancy Andrighi frisou que a relativização da regra da impenhorabilidade, ou seja, sua aplicação parcial é possível, excepcionalmente, quando no caso concreto, dada a impossibilidade de recebimento do crédito por outro meio, o bloqueio de parte da verba remuneratória do devedor preserve o suficiente para garantir a sua subsistência e de sua família.
[/et_pb_text][/et_pb_column][/et_pb_row][/et_pb_section]

Compartilhe esse artigo!

Share on facebook
Facebook
Share on linkedin
LinkedIn

Esse site utiliza cookies para garantir uma melhor experiência.
Clique em "Aceitar" para seguir ou "Política de Privacidade" para saber mais.

Iniciar conversa
Fale com a DSG
Olá,
Envie sua mensagem que te retornaremos em breve.

Obrigado!