Questionamentos éticos e judiciais envolvendo a ginecologia e obstetrícia

Médicos

[et_pb_section admin_label=”section”][et_pb_row admin_label=”row”][et_pb_column type=”4_4″][et_pb_text admin_label=”Texto” background_layout=”light” text_orientation=”left” use_border_color=”off” border_color=”#ffffff” border_style=”solid”]

A Ginecologia e Obstetrícia (GO) sempre figurou entre as especialidades médicas mais questionadas, ficando atrás somente da Cirurgia Plástica, tanto em processos éticos quanto judiciais.

Mas quando se fala em punição ética, a GO supera a Cirurgia Plástica.

Segundo o Conselho Federal de Medicina a Ginecologia e Obstetrícia é a especialidade com maior número de punições oriundas dos processos ético-profissionais, seguida pela Clínica Médica, Cirurgia Plástica, Pediatria e Cirurgia Geral.

A presença da GO entre as especialidades mais questionadas se dá em face do grande número de intercorrências dentro do pré-natal e das urgências e emergências no trabalho de parto, procedimento no qual estão envolvidos dois pacientes: a mãe e o bebê.

Há que se ressaltar também que a GO é a especialidade com maior número de médicos atuantes, fato que deve ser levado em consideração quando se analisa o número de processos por especialidade.

No artigo “Perfil das demandas judiciais cíveis por erro médico em Ginecologia e Obstetrícia no Estado de São Paulo” (Spina VPL; Sá EC. Perfil das demandas judiciais cíveis por erro médico em Ginecologia e Obstetrícia no Estado de São Paulo. Saúde, Ética & Justiça. 2015;20(1):15-20) seus autores enumeram as motivações que levaram os pacientes a propor ações de indenização contra o médico. As principais são:

  1. Atraso na realização do parto, descolamento prematuro de placenta com feto natimorto;
  2. Diagnóstico tardio de câncer de mama, paciente sofreu extirpação desnecessária de uma mama;
  3. Deficiência no atendimento prestado a gestante ocasionando óbito fetal.
  4. Laudo de mamografia errado (Birads 3 – doença benigna), com diagnóstico de câncer de mama após cinco meses;
  5. Gestante de 39 semanas procurou PS, sendo dispensada por falso trabalho de parto, morte de feto subsequente;
  6. Aplicação de fórceps no parto ocasionado traumatismo crânio encefálico e morte do nascituro;
  7. Lesão de colón sigmoide em procedimento de histerectomia;
  8. Realização de laqueadura não autorizada;
  9. Gestação de risco (pré-eclâmpsia), ausência de médico no atendimento a gestante, sem transferência da paciente, feto natimorto;
  10. Falha de atendimento prestado pelo hospital, assistência ao parto (cesáreo) em gestante de 39 semanas, recém-nascido evoluiu com bronco aspiração e choque séptico, óbito do neonato algumas horas após o nascimento;
  11. Gestante de 42 semanas, atendimento de PS, gestante dispensada por falso trabalho de parto, óbito fetal intrauterino após dois dias;
  12. Cirurgia para correção incontinência urinaria (técnica de Burch) e colpoperineoplastia posterior realizadas desnecessariamente devido à doença de grau leve, cursou com grave complicação, dobra de ureter, necessitando de novo procedimento cirúrgico, além de realização de ninfoplastia com resultado não satisfatório;
  13. Atendimento deficiente a gestante no PS, óbito fetal intrauterino subsequente (malformação cardíaca fetal);
  14. Falha no atendimento a gestante com gestação gemelar de 37 semanas, atendida no PS, dispensada por falso trabalho de parto, com óbito de um dos fetos dois dias após o primeiro atendimento;
  15. Sequência de diagnósticos desencontrados envolvendo a gravidez da autora (prenhez ectópica) que levou à perda desnecessária de uma trompa;
  16. Falha no atendimento da parturiente e da recém-nascida, subsequente óbito da genitora e sequelas à recém-nascida;

Os autores também ressaltam que na maioria dos casos a decisão foi favorável ao médico.

[/et_pb_text][/et_pb_column][/et_pb_row][/et_pb_section]

Compartilhe esse artigo!

Share on facebook
Facebook
Share on linkedin
LinkedIn

Esse site utiliza cookies para garantir uma melhor experiência.
Clique em "Aceitar" para seguir ou "Política de Privacidade" para saber mais.

Iniciar conversa
Fale com a DSG
Olá,
Envie sua mensagem que te retornaremos em breve.

Obrigado!